top of page
Buscar

Liga sorocabana de boxe realiza último festival de alunos do ano



Neste último domingo, dia 10 de dezembro, a Lisoboxe encerrou seu calendário de eventos em 2023 com o Festival de alunos Lisoboxe, realizado às 9h no C.E. “Francisco Lisboa”, mais conhecido como C.E. Maria Eugênia. O encontro reuniu mais de 50 pessoas, dentre elas, 16 alunos participantes, juntamente com seus pais, familiares, amigos e até os demais alunos que foram somente prestigiar o esporte e seus colegas de treino.

A programação iniciou com 2 duelos na categoria infantil, no qual os pequenos deram um show e adoraram a experiência. Em seguida, aconteceram 4 combates juvenis e 2 adultos, no qual todos se saíram muito bem e desempenharam tudo aquilo que aprenderam nas aulas. Para finalizar essa celebração, o professor Vladimir de Godoi fez um discurso de agradecimento a todos os presentes, alunos, pais, professores, instrutores e apoiadores da Liga Sorocabana de Boxe, por todo o apoio e contribuição de cada um, que foi essencial para o ano de 2023 ser tão bacana e produtivo para a equipe.



Todos os professores e instrutores da Liga estiveram presentes, para proporcionar uma manhã de domingo especial, festiva e dinâmica aos alunos, através da oportunidade deles experimentarem uma “luta” efetivamente, mas com regras adaptadas para a proteção máxima dos alunos, sendo elas: o uso de luvas “grandes” (18oz), capacetes de sparring (que são mais fechados comparado com os de competição) e protetores bucais; além dos tempos de round reduzidos, para que os alunos pudessem vivenciar a modalidade de forma prazerosa, sem desanimarem ou se machucarem. O festival é um evento que, excepcionalmente, todos são premiados, então no final de cada combate foram entregues medalhas para ambos os participantes, visto que o intuito é deles comemorarem a superação pessoal e os desafios que enfrentaram para chegar até ali, e não a superação competitiva, contra o outro.

O objetivo principal do festival foi reunir todos os alunos Lisoboxe, para que pudessem praticar, aperfeiçoar e desenvolver todas as habilidades e competências que adquiriram durante as aulas deste ano, sendo esses alunos tanto do projeto “Boxe: uma luz para o futuro”, nos núcleos do C.E. Maria Eugênia, C.E. Dr. Pitico, C.E. Padre André Pieroni (Jardim Simus) ou Espaço Filadelfia (Aparecidinha), quanto para os alunos do “Projeto atleta do futuro” do Sesi Votorantim e alunos das academias parceiras: Ghimper Academias (Unidades Simus, Itavuvu e Gisele Constantino) e Sportzone (Boituva e Tatuí).



Se trata de um evento especial por ser uma tradição da Liga Sorocabana de Boxe, em consequência de ser realizado desde a criação da instituição pelo Prof° Vladimir Juliano de Godoi em 2005, trabalho que reflete na prática esportiva não só em Sorocaba e região, como também no estado de São Paulo, considerando as inúmeras competições que estão surgindo neste mesmo modelo e inclusive a Lisoboxe sendo convidada para organizar em outras cidades também.

E todo esse trabalho realizado pela Liga Sorocabana de Boxe e Artes Marciais – Lisoboxe é feito com o apoio e parceira da Prefeitura de Sorocaba através da Sequav (Secretaria de Esportes e Qualidade de Vida), SESI-SP, Escritório Contábil Sorocaba, Adidas Combat Sport, MKS Combat, Ghimper Academias e Centro Avançado de Fisioterapia.

Para mais informações sobre as aulas e projetos, entrar em contato com a Liga Sorocabana de Boxe através de suas redes sociais: Instagram - @lisoboxe; Facebook - Liga Sorocabana de Boxe & Artes Marciais.

 

Confira abaixo alguns relatos sobre o evento, feito por alunos, pais, colegas e professores da Lisoboxe:

 

A aluna Katylin Reis, 11 anos, comentou sobre sua participação: “Eu gostei de participar do festival, estava bem nervosa lá, mas agora já passou um pouco. Gostei da experiência e quero vir de novo!”

E sua mãe, Cláudia, completou: “Então, eu estava nervosa né porque eu achei que seria como uma briga, tipo assustadora, mas não foi e graças a Deus minha filha foi bem! Gostei de ver que ninguém machucou ninguém e eu quero que ela compita mais vezes.”


O aluno Guilherme Elizeu, 11 anos, relatou: “Eu gostei bastante de participar disso, porque eu estava levando na esportiva, na brincadeira e que na próxima vez que eu participar, eu consiga fazer igual eu consegui fazer aqui ou até melhor.”

 


Já o aluno Kaua Henrique de 13 anos, comentou: “Bom, eu achei que eu evoluí muito, a diferença da postura e da base (posição de combate), consegui atacar mais golpes e fiquei com mais fôlego dessa vez, então achei muito mais fácil que na última vez, porque em outubro eu tinha voltado há pouco tempo, acho que umas 2 semanas e agora que eu fiquei mais tempo constante nas aulas, eu acho que evoluí muito mais, principalmente na questão da base. Gostei muito e com certeza vou participar dos próximos!”

E a mãe de Kaua, Tatiana, concorda com a fala do filho e acrescenta: “Para a gente que é mãe é sempre uma emoção ver o filho fazendo alguma coisa e evoluindo, porque do primeiro ano que ele foi, para hoje, eu vi que ele evoluiu bastante e isso graças aos professores que ficam ali e se dedicam. Faz uns 2 anos que ele está voltando agora, depois da pandemia e para a mãe é sempre uma emoção estar aqui, vocês também são muito bonzinhos, muito acolhedores, eu adoro todo mundo aqui!”


O "oponente" de Kaua, Lucas Emanuel de 13 anos, ainda novo no boxe, comentou: “Eu achei que eu podia ser melhor e achei muito legal, porque foi a primeira vez e eu estava muito nervoso, mas fui bem por ser a primeira experiência e fazer boxe só a 5/6 no C.E. Dr. Pitico. Quero participar de novo e na próxima vou melhorar!”

E Thaina, prima do Lucas, mostrou-se orgulhosa por ele: “Olha, eu gostei bastante porque eu treinava muay thai antes e comecei a treinar boxe com meu primo também. E eu achei muito interessante porque os professores ficam sempre ‘em cima’, estão sempre ali ajudando, orientando. Eu senti muito orgulho de ver meu primo lutando aqui e ver que ele está evoluindo a cada dia, está conseguindo se desenvolver mais e eu acho um projeto muito legal mesmo, muito necessário e que ajuda muito.”


Ana, mãe do aluno João Pedro Cotrim de 15 anos, fez o seguinte relato: “Foi o segundo festival dele e no primeiro eu sofri muito, fiquei nervosa né, porque eu confio no potencial dele e sei que ele está se esforçando, mas a gente que é mãe fica meio apreensiva. Mas assim, eu dou toda a força, incentivo e eu acho que está sendo muito bom pra ele, porque desenvolveu bastante, ele era tímido hoje está bem melhor, eu vejo que ele gosta daqui e se deixar ele vem treinar todos os dias. Eu estou contente e sei que aqui é um ótimo lugar para eles, onde eles vão se conscientizar da vida, futuro deles, serem responsáveis. Agradeço aos professores também, que são excelentes!”


O aluno Jonathan Richard, 17 anos, mostrou seu empenho ao participar com apenas 1 mês de prática: “Eu conheci esse torneio aqui pelo Pitico com o professor Douglas da Lisoboxe e minha expectativa e meta eu acho que atingi, não foi como eu queria e planejava, mas com 1 mês de boxe já dá para ser uma grande evolução. Na próxima é evoluir cada vez mais, melhorar os erros que fiz ali e tentar superar os limites.”

Cleiton, tio do Jhonatan, acompanhou o aluno e disse: “Eu achei top, gratidão mesmo por estar aqui. Estou mais feliz do que ele, que gosta do esporte, fiquei contente de ver ele aqui firme, show de bola!”

E seu "adversário", o aluno André Vitor, 19 anos, também contou um pouco sobre a superação que enfrentou durante o combate: “Eu estava bem nervoso na hora de começar, eu entrei ali, já estava um pouco nervoso, mas depois do primeiro round eu fiquei mais nervoso ainda e falei ‘o que eu faço?’, aí o Coelho (professor e corner) falou para mim manter mais a calma e me orientou, eu consegui aplicar no segundo round, mas o cara também tem uma guarda bem fechada. Foi uma boa experiência, aqui é um bom espaço, eu achei que tem bastante estrutura para um festival e coisas desse tipo.”

André também levou alguns amigos para o acompanharem e um deles, Gustavo, comentou: “Eu gostei muito do evento, foi legal acompanhar meu amigo nessa jornada dele aí, iniciando no boxe e eu vim na esperança de vê-lo nocauteado, mas ele saiu de pé kkk brincadeira. É muito bom ver um amigo da gente lutando, iniciando na luta porque é algo que faz muito bem para saúde, faz bem para nossa mente e foi muito legal acompanhar o evento, eu gostei bastante!”


O aluno João Pedro Marinho, 17 anos, já com alguns anos de experiência e a pretensão de se tornar atleta, disse: “Eu faço boxe a 3 anos e já havia participado do festival no C.E. Dr. Pitico, mas a diferença desse festival foi que eu treinei mais a técnica do boxe, menos afobação e eu achei perfeito para mim e para quem está aqui e quer lutar mesmo um dia, vai ajudar a ter mais experiência e noção de como é o boxe em cima do ringue. Achei maravilhoso, eu evoluí bastante e tinham coisas que eu não tinha aprendido e aprendi aqui no festival.”

Do outro lado temos Rafael gomes, 15 anos, que também possui a pretensão de integrar a equipe de alto rendimento, comentou: “A experiência de hoje foi muito boa, porque faz falta um sparring, um treino mais pesado para realmente ver o que é o boxe. Do último festival eu evoluí bastante, tive mais noção da distância de combate e fiquei menos afobado, foi muito bom!”


Já na turma adulta, o aluno Matheus Henrique, 23 anos, revelou o seguinte antes da “luta”: “Pra ser bem sincero, eu estou muito nervoso, mas a gente tem que vencer o medo, porque a gente nunca sabe o resultado que pode alcançar na vida, podendo ser bons ou ruins, mas uma coisa que eu posso ter certeza é que eu tenho que sempre tentar fazer aquilo que eu gosto!”

E após o combate, relatou: “Achei muito bom. Fiquei meio nervoso na hora da luta, mas creio que saí de lá bem mais experiente, obrigado pela oportunidade!”


O evento contou até com ex-atletas da Lisoboxe, um deles sendo Samuel Beato, que permaneceu na equipe de 2012 A 2016 e retornando agora como aluno, relatou: “Para mim, como já tem um pouquinho de experiência, pra fazer sparring é mais tranquilo, consigo ter as emoções niveladas para conseguir fazer. É claro que mesmo que seja um treino, a gente tem aquele friozinho na barriga né, mas por conta da experiência é um pouquinho mais controlado. E para mim sempre é uma paixão poder voltar a lutar, que seja fazer um sparring, um treino, qualquer coisa, porque a minha paixão e meu amor sempre foi o boxe e acabei saindo como atleta para seguir outros caminhos, por alguns problemas na minha vida. Mas foi um ótimo treino hoje, o garoto também que eu fiz sparring é um menino novo, mas quem sabe uma perspectiva de um futuro atleta, quem sabe até um medalhista olímpico aqui. Realmente foi ótima experiência!”


O Prof. Leandro Coelho, que também é atleta da liga desde 2010, integrou a organização do evento e comentou: “O evento foi bem legal, esse é um evento que a gente faz que é sempre muito especial, onde a gente consegue fazer uma interação entre os alunos de vários núcleos da lisoboxe, onde eles conseguem um conhecer os outros e ver se o que estão aprendendo realmente faz sentido, se dá certo. Então para mim é sempre bom estar num evento como esse e por ser o último do ano, mais especial ainda!”


O instrutor Lisoboxe Douglas Ragi, relatou que: “O festival para mim, agora como instrutor, foi legal e muito produtivo, porque para muitos ali da turma juvenil e infantil foi a primeira vez que participou de um festival, então nunca tiveram contato, uma experiência assim e a gente até fica mais nervoso que os alunos, mas tem que manter a calma. Mas é muito legal, principalmente a turminha infantil, porque foram os primeiros alunos infantis do Pitico que participaram do festival e todo mundo estava com a base certinha, mantendo a guarda alta movimentando certinho e quando a gente orientava, conseguia ver que eles tinham noção do que estavam fazendo, ouviam e tentavam aplicar o que a gente orientava; da turma juvenil foi legal também, porque o Átila, por exemplo, que é um aluno que está competindo, hoje enfrentou um ex-atleta e deu para ver que ele ficou nervoso, mas depois conseguiu impor um pouco mais o boxe dele. E no geral, foi muito orgulho, também é legal ver os pais apreensivos e depois relaxando junto com a criançada e com a gente. É gratificante saber que o trabalho está tendo frutos e dois falaram que segunda-feira já vão querer treinar diferente, porque querem estar melhor no próximo festival, então é algo que a gente está colhendo e já plantando para o futuro”


E o instrutor Lisoboxe Vitor Melo, responsável por algumas turmas do núcleo do Maria Eugênia, também fez um breve comentário: “O festival foi muito bom, novamente foi realizado aqui no centro esportivo do Maria Eugênia, um local bom e que nunca tivemos problemas para realizar esses eventos. Também estou muito orgulhoso dos meus alunos que foram muito bem, deu tudo certo e estamos prontos para o ano que vem!”

 



22 visualizações1 comentário

1 Comment


Laryssa Galdino
Laryssa Galdino
Dec 21, 2023

Fechando o calendário de 2023 da melhor maneira🥊😍

Like
bottom of page